A realidade aumentada ou augmented reality (AR) está destinada a tornar-se um ponto separado na experiência de compra na indústria do retail. A tal ponto que um estudo da ABI Research estima que 3% das receitas do sector este ano serão produzidas por uma realidade aumentada, correspondente a um volume de negócios global de 122 mil milhões de dólares.

O que é a realidade aumentada?

Realidade Aumentada é o termo utilizado para se referir à tecnologia que permite a exibição de elementos digitais em ambientes reais. Através de dispositivos como smartphones, tablets ou óculos digitais, o utilizador percebe uma camada de dados sobreposta. 

É de notar a diferença entre os conceitos de realidade aumentada e de realidade virtual: enquanto o primeiro integra elementos reais com outros digitais, o segundo move o utilizador para uma realidade 100% diferente. 

A realidade aumentada melhora a experiência dos clientes em retail

Geralmente associada à indústria dos jogos de vídeo (especialmente na sequência do Pokemon GO), a realidade aumentada está há anos nas agendas de  I+D de muitos retailers, em parte devido à sua receção positiva pelos utilizadores. De acordo com um estudo realizado pela Artillery Intelligence on Mobile AR, 73% dos inquiridos afirmam responder muito positivamente à sua utilização.

Um dos principais problemas que o sector retalhista enfrenta nas vendas online é a dúvida que rodeia o consumidor sobre a qualidade e conveniência dos produtos, devido a esta falta de contacto direto com o artigo que está a ser adquirido. Com a realidade aumentada, esta fronteira entre o físico e o digital é diluída. 

As possibilidades de realidade aumentada vão numa direção clara: alcançar a omnicanalidade, misturando o canal físico com o digital, é o grande desafio dos retailers que procuram adaptar-se às necessidades dos consumidores no século XXI. Esta tecnologia pode alterar completamente a fase de decisão do customer journey map.

Pilar Martínez, Senior Digital Marketing Consultant em Labelium Espanha

A realidade aumentada não só melhora a experiência do utilizador, como também diminui o tempo de compra, resolve a falta de espaço para stock na loja e reforça a relação marca-cliente. Por este motivo, as grandes empresas preferiram apostar na AR em vez da realidade virtual, embora ambas estejam a crescer, como se reflete no gráfico da Queppelin sobre a utilização de ambas as tecnologias:

Las grandes empresas invierten más en realidad aumentada que en realidad virtual

4 aplicações da realidade aumentada no sector do retail

Mas como pode esta tecnologia melhorar tanto a experiência de compra? As aplicações que se seguem são exemplos muito representativos:

Teste virtual ou teste inteligente

Esta tecnologia tem sido amplamente aceite pela indústria da moda e da beleza. Graças à AR, o cliente pode ver-se com o produto que quer, seja roupa, calçado ou mesmo maquilhagem. 

Projeção do espaço físico

Agora o consumidor pode ter uma prévia de como um móvel, aparelho ou outro produto ficaria em sua casa com a simplicidade de apontar o smartphone ou tablet para o local escolhido. Grandes marcas como a Amazon, Ikea e Dulux já implementaram esta aplicação de realidade aumentada.

Street information

A realidade aumentada é uma fonte infinita de informação das lojas físicas que rodeiam o pedestre em qualquer cidade. Através de qualquer dispositivo adaptado, é possível obter todos os dados sobre o comércio, opiniões ou endereços que a Google mantém nos seus servidores, mas sem necessidade de digitar em um motor de busca.

La realidad aumentada ofrece al viandante una enorme cantidad de información sobre lo que le rodea

Smart glasses

Com eles, os trabalhadores estão ligados à rede da loja, de modo a poderem aceder a toda a informação em simultâneo. Como resultado, há um aumento da produtividade com uma diminuição do tempo de resposta dos colaboradores e uma melhor experiência do cliente na loja física.

Internet dos sentidos, o seguinte passo?

Mas, incrivelmente, há ainda um passo para além da realidade aumentada. A chegada iminente de 5G trará consigo uma rutura conceptual na forma como entendemos a comunicação marca/utilizador. Serão agora os sentidos humanos – visão, tato, olfato e paladar – que vão captar a atenção dos principais empreendedores mundiais, como mostra este revelador artigo da Ericsson sobre o futuro da indústria tecnológica.

Manter uma experiência ótima do cliente é o presente e o futuro para os retailers que querem seduzir um utilizador prático e cada vez mais tecnológico. Até onde serão capazes de ir? Só o tempo dirá.

Contate-nos

Newsletter signup

Please wait...

Thank you for sign up!